29.4.13

crumble de ameixa e pecãs


Ainda insisto nas ameixas, mas agora tenho certeza que foram as últimas da temporada: azedas e sem sabor, ficaram mais de uma semana passando uma temporada na geladeira até que resolvi procurar algo fácil e descomplicado para utilizar. Fazia tempo que não abria esse livro da Nigella e encontrei a receita de crumble, sempre bem-vindos pelo sabor, praticidade e seu valor comfort food.

para o recheio:
6 ameixas
2 colheres (sopa) manteiga
2-4 colheres (sopa) açúcar mascavo
1 colher (sopa) amido de milho
para a cobertura:
½ xícara + 2 colheres (sopa) manteiga gelada, picada
1⅔ xícara farinha de trigo com fermento (se não tiver, adicione ½ colher de chá de fermento)
½ xícara + 2 colheres (sopa) açúcar demerara
195g pecãs, algumas picadas finamente, outras em pedaços maiores

Unte um refratário de 20cm e coloque sobre uma assadeira. Pré-aqueça o forno a 180ºC. Corte as ameixas ao meio, retire os caraços e disponha as metades sobre o refratário, espalhe pedacinhos de manteiga sobre as ameixas e salpique o açúcar por cima. Leve ao forno, sem cobrir, por 20min. Enquanto isso prepare a cobertura: misture a manteiga e a farinha com as pontas dos dedos, formando uma farofa grossa, coloque o açúcar e as pecãs. Passados os 20min, retire as ameixas do forno, e num copinho adicione o amido de milho com um pouquinho de água para dissolver e espalhe sobre as ameixas. Por fim, espalhe a farofa da cobertura, pressione, e leve ao forno por mais 25min, ou até dourar. 

25.4.13

pão integral com aveia e melado


Havia dado um tempo nos pães por aqui, quer dizer, fazia somente aqueles que exigem sova mínima (aquela técnica ótima de sovar a massa por uns 10 segundos a cada 10min, repetindo 4-5 vezes), ou comprava pronto. Comprar pronto estava se tornando um desperdício: metade do pacote no lixo, mofado, sem ninguém ter se interessado por ele. Com pães caseiros isso não acontece, seu sabor e o respeito pelo trabalho que tive para fazer impedem que eles se estraguem pelo tempo.
Sentia falta era de sovar pão, as dores nas costas esporádicas pelo sétimo mês de gravidez me tiram o ânimo de passar dez minutos me entretendo com a sova da massa. Até que um dia, lendo mais um capítulo de um livro que adoro e releio sempre, o desejo de sovar massa falou mais alto que o medo das dores lombares, transcrevo um trecho: "(...) não há provavelmente tratamento quiroprático, exercício de ioga, hora de meditação que a deixe mais vazia de pensamentos ruins do que a cerimônia caseira de fazer pão.". Isto foi suficiente para me animar a escolher uma receita, ir para a cozinha e aproveitar uma tarde ensolarada de outono concentrada e tranquila fazendo pão caseiro. M.F.K. Fisher entende das coisas :) Receita daqui.

1¼ xícara água fervente
1 xícara aveia (usei flocos graúdos)
¼ xícara melado (na receita original vai mel)
1½ colher (chá) sal
2 colheres (sopa) manteiga, picada em cubos
1 xícara farinha de trigo integral
1 ⅔ xícara farinha de trigo branca (usei orgânica, dá melhores resultados)
¼ xícara leite em pó desnatado (usei integral)
½ xícara nozes ou pecãs (opcional)
2 colheres (chá) fermento biológico seco

Misture água fervente, aveia, melado, sal e manteiga, espere amornar. Numa tigela grande coloque as farinhas, leite em pó, nozes e fermento. Não coloque toda a farinha branca de uma vez, vá adicionando aos poucos na sova, às vezes não é necessário usar toda a farinha para a massa ficar lisa.
M.F.K. Fisher ensina a sovar:
"Amassar pão significa pressioná-lo ritmicamente com as palmas e os dedos de cada mão, num movimento suave de vaivém, virando a massa sobre si mesma a cada empurrão, dobrando-a de leve, empurrando, pressionando. É um ritmo calmante, musical. Em 8 ou 10 minutos, quando a massa parecer lisa como seda, você pode parar."
Coloque a massa na tigela, levemente untada com óleo, cubra com filme plástico e deixe descansar num local morno e sem ventilação por 1 hora. Passado o tempo, unte uma forma de bolo inglês (23x10cm) com manteiga. Abra a massa sobre uma superfície enfarinhada, forme um retângulo, dobre-o como uma carta comercial, e enrole massa, deixando as dobras para baixo coloque na forma. Cubra novamente com filme plástico e deixe descansar pela segunda vez, por aproximadamente 1h30. Perto de vencer este tempo, pré-aqueça o forno a 180ºC, e asse por 45min. Se necessário, cubra a forma com papel alumínio após 20min, para não queimar a superfície do pão.


18.4.13

muffin de maracujá e framboesa


É um muffin de aproveitamento de sobras: maracujás que ficaram na geladeira depois dos potinhos do post abaixo e algumas framboesas congeladas desde a cheesecake que fiz na páscoa (nada de chocolate por aqui, no feriado mais chocolatudo do calendário). 
Achei inusitada a combinação  das frutas, e o contraste de suas cores vibrantes, especialmente antes de ir para o forno, é uma pintura, além de deliciosos - e crocantes. Receita daqui.

200g manteiga, temperatura ambiente
150g (¾ xícara) açúcar
4 ovos médios
200g farinha de trigo
1 ¼ colher (chá) fermento em pó
pitada de sal
125ml polpa de maracujá
175g framboesa (aproximadamente)

Pré-aqueça o forno a 200ºC. Bata a manteiga + açúcar até ficar cremoso, adicione os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Misture e peneire a farinha, fermento e sal. Adicione a farinha à mistura de manteiga, não bata demais. Por fim, coloque a polpa de maracujá. Encha até a metade das forminhas com a massa, coloque 2-3 framboesas, preencha com o restante de massa, e mais 2-3 framboesas. Leve ao forno por 15-20min, ou até dourar e um palito sair seco.
rende: 12 muffins, fiz meia receita acima e consegui 7 deles.

11.4.13

potinhos de maracujá


Sabe aquelas receitas que sempre dá vontade de comer, a presença dela é uma constante nas listas a testar, mas por essas bobeiras do cotidiano nunca conseguia reunir maracujá e creme de leite fresco em casa na mesma semana. Resolvi isso com mais uma das minhas listas: a de compras que fica grudada na geladeira. Deliciosos potinhos, com sabor sutil e pouco doce, do jeitinho que eu gosto. Receita daqui.

1 xícara creme de leite
1 xícara leite
⅓ xícara açúcar 
3 ovos + 1 gema
½ xícara polpa de maracujá

Pré-aqueça o forno a 160ºC. Numa panela leve para aquecer o creme de leite e leite, não deixe ferver. Em uma tigela bata o açúcar, ovos e gemas até ficar homogêneo. Coloque lentamente a mistura de ovos sobre o leite aquecido, mexendo sempre, passe toda a mistura pela peneira, colocando novamente na panela. Adicione a polpa de maracujá e leve ao fogo por uns 3 min, sem parar de mexer, até engrossar levemente. Distribua a mistura em potinhos que possam ir ao forno, coloque-os numa assadeira alta, encha até a metade da assadeira com água quente e leve ao fogo por 20-30min ou até ficar firme. Deixe esfriar, cubra e leve à geladeira.
rendimento: 4 a 6 porções, depende do tamanho do potinho.

4.4.13

muffins duplos de chocolate


Tenho preparado ótimos muffins nas últimas semanas, é meu café da manhã preferido, já que agora acordo sempre com fome. A maioria deles veio do livro da Dorie Greenspan, foi um dos meus primeiros livros de receita, às vezes ele fica esquecido na estante, mas sempre que abro encontro boas surpresas. São bem saborosos e aplacaram minhas lombrigas chocólatras por uns dias.

2 xícaras farinha de trigo
1 colher (sopa) fermento em pó
½ colher (chá) bicarbonato de sódio
⅓ xícara cacau em pó
pitada de sal
⅔ xícara açúcar 
120g chocolate meio-amargo
6 colheres (sopa) manteiga
1 ovo grande 
1 ¼ xícara leite 

Numa tigela grande misture a farinha, fermento, bicarbonato, cacau, sal e açúcar. Derreta metade do chocolate com a manteiga e reserve. Misture o ovo, ligeiramente batido, com o leite. Coloque o chocolate derretido e a mistura de leite na tigela dos ingredientes secos e misture, não bata demais, é importante deixar carocinhos na massa para que os muffins fiquem macios. Por fim, adicione a outra metade do chocolate picado, e misture. Coloque em forminhas e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC por 20min, ou até que um palito saia seco.
rende: 12 muffins, fiz meia receita acima e obtive 9 bolinhos em formas com capacidade para 80 ml.