domingo, 16 de novembro de 2014

massa básica de pizza


De uns tempos pra cá comecei a desgostar de pizza. Não importava a pizzaria, o preço, a oferta durante a semana, os sabores, todas tinham o mesmo problema: chegavam cruas no centro, cruas de raspar o garfo e sair massa. Aquilo tirava completamente minha vontade de comer: aquela borda queimada e crua no centro. Pedia com massa fina, não adiantava, escolhia um sabor que não levasse molho de tomate na base, o mesmo problema. Dizem que SP é a cidade onde tem a melhor pizza do país, então, tenho medo de saber como é em outros lugares. Bom, o jeito foi procurar receitas, algumas ficavam boas de primeira, depois eu repetia e não tinha o resultado esperado, até encontrar esta, definitiva, especialmente se você gostar de uma massa grossa, macia, que parece um pãozinho. Descobri uns 3 aos atrás, nem sei porque não postei antes aqui. É fácil de fazer, dá para organizar o tempo sovando a massa e durante a fermentação fazer um molho de tomate caseiro e outros recheios. Nesta aqui tem atum enlatado (meu preferido), e de frango para o marido, eu cozinho um pedaço de peito de frango, desfio e misturo algumas colheradas do molho.

½ xícara água morna
2 ½ colheres (chá) fermento biológico seco
4 xícaras farinha de trigo (aproximadamente)
1 ½ colheres sal
1 ¼ xícara água, temperatura ambiente
2 colheres (sopa) azeite

Misture a água morna e o fermento numa tigela grande. À parte misture a farinha e o sal. Adicione a água fria à água morna, coloque o azeite e a farinha aos poucos. Sove por uns 5min, ou até a massa ficar macia. Coloque na tigela untada com óleo, cubra com papel filme, um pano de prato por cima e deixe num local morno e sem corrente de ar por 1h30, ou até dobrar de tamanho. Passado o tempo, retire a massa da tigela, amasse para sair o ar e abra a massa com o rolo, dando o formato de sua preferência.
Esta quantidade de massa rende 2 pizzas grandes.
Use bastante fubá para polvilhar a assadeira, assim a pizza não gruda.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

pudim de baunilha


Fiquei tão entusiasmada quando vi esta receita da Sarah Carey na minha caixa de e-mails, e só quando comecei a separar os ingredientes é que me dei conta que é apenas um creme de confeiteiro servido em potinhos, mas isso não compromete em nada qualidade da receita, que pode sim, ser empregada em outras preparações em que este creme é requerido. E também agradou muito outros moradores da casa: meu marido que adora sobremesas feitas para comer de colher, e nossa gata Frida, que fica louquinha quando faço um doce que contém gemas, é claro que ela só ganha uma pequena colher e não se contenta com sua porção.

½ xícara açúcar
3 colheres (sopa) amido de milho
pitada de sal
1 ½ xícara leite integral
½ xícara creme de leite
2 gemas grandes
2 colheres (sopa) manteiga
1 colher (chá) baunilha

Numa panela coloque o açúcar, amido e sal, misture. Acrescente ½ xícara do leite e mexa bem para não empelotar a mistura, em seguida coloque o restante do leite, creme de leite e as gemas. Leve ao fogo médio e mexa constantemente até engrossar, quando engrossar abaixe o fogo e mexa por mais um minuto. Retire do fogão, coloque a manteiga e baunilha, mexa até a manteiga derretar e ficar um creme homogêneo e cremoso*. Distribua em potinhos, espere esfriar e cubra com papel filme, se não gostar daquela película que se forma na superfície, deixe o papel filme grudadinho no creme.
*Se o seu creme empelotar durante o cozimento, mexa vigorosamente até desfazer, e se mesmo assim não conseguir desempelotar passe o creme por uma peneira e só depois adicione a manteiga.


quinta-feira, 6 de novembro de 2014

biscoito de chocolate com sementes de abóbora


Há tempos procurava um seriado para chamar de meu. Geralmente gosto de comédia (por que o Seinfeld saiu da programação?), e achei legal The Middle pra acompanhar, nem sempre consigo. Também gostei de The Blacklist, adorei a primeira temporada, fiquei bem interessada na trama, mas estava na fase mais obscura da depressão, achava tudo violento demais e me deixava bem perturbada. Agora na segunda está tranquilo de ver. No fim das contas Twin Peaks é o melhor seriado de todos os tempos - claro que é só até descobrirem o assassino da Laura Palmer, depois a coisa perdeu o rumo. Daí que nos últimos meses descobri Grimm e virou meu seriado preferido, tem um pouco de tudo que eu gosto, anos atrás era doida por contos de fada, a versão medieval deles (que não é nada colorida com final feliz) tem trama policial, fantasia e até um protagonista bonitinho (meio cigano Igor, mas vá lá). Como já estreou a quarta temporada e eu assisti a segunda sem ter visto a primeira - e terceira nem tem no Netflix - comecei a série do início durante as sonecas da Clara, tenho tempo para exatamente 2 episódios (almoçando durante um deles). Mas dias atrás resolvi deixar de lado meu tempo de tevê e fui preparar estas bolachinhas, tinha a quantidade exata de sementes de abóbora para meia receita, o que foi muito bom, pois estou evitando doces. No livro sugere que abra a massa e use cortadores de estrela, para dar um efeito mais bonito, eu fiz do jeito mais prático e nem esperava esse efeito craquelado. Receita do Bon Appétit.

½ xícara sementes de abóbora, cruas
120g chocolate meio-amargo
1 xícara manteiga, temperatura ambiente
½ xícara + 2 colheres (sopa) açúcar
½ colher (chá) canela em pó
pitada de sal
2 ¼ xícaras farinha de trigo

Pré-aqueça o forno a 180ºC. Toste as sementes de abóbora (faço isso numa frigideira) e depois pique grosseiramente, reserve. Numa tigela grande coloque o chocolate e leve para derreter, depois espere amornar e junte a manteiga, mexa até tudo ficar bem misturado e homogêneo, em seguida adicione o açúcar, canela, sal, mexa bem. Por fim coloque a farinha e as sementes de abóbora. Se preferir abra a massa sobre uma superfície enfarinhada e corte usando cortadores em forma de estrela, em seguida pincele sobre cada biscoito um pouco de clara ligeiramente batida e salpique com açúcar granulado, esta é a versão do livro. Eu deixei a massa firmar um pouco na geladeira, fiz bolotas com ela, nivelei na palma da mão, mergulhei um lado da massa na água fria e depois passei no açúcar granulado. Leve para assar, cerca de 18min, espere uns 5min para tirar da assadeira - não esqueça de untar, ou forrar com papel manteiga, a assadeira.
rende: 18 biscoitinhos (meia receita).


quinta-feira, 30 de outubro de 2014

salada com avocado, bacon e roquefort



Salada é sempre associada a algo light, saudável. Eu discordo em partes, saladas leves me servem bem como acompanhamento, mas minhas preferidas são as de prato único, com vários ingredientes e me deixam saciada até a próxima refeição. Esta é uma delas, com bacon e roquefort não dá pra chamar de light, né? Também foi a primeira vez que experimentei avocado, passei a ver com frequência no sacolão e resolvi experimentar primeiro em algo que não fosse guacamole, e gostei bastante. Adaptei pouquinho a receita, não tinha rúcula e usei três tipos de alface. Daqui.

5 fatias de bacon, cortada em pedacinhos
3 colheres (sopa) vinagre de vinho tinto
3 colheres (sopa) azeite
sal e pimenta
150g tomate cereja (eu gosto do italianinho)
1 avocado, cortado em pedacinhos
150g de rúcula
1 maço de alface
3 cebolinhas
150g queijo roquefort esmigalhado (gorgonzola, ou outro queijo azul)

Frite os pedacinhos de bacon, transfira para um prato forrado com papel toalha e reserve. Misture o vinagre, azeite, sal e pimenta e espalhe sobre as folhas. Divida as folhas em porções individuais e por cima coloque os tomatinhos, espalhe o bacon, avocado, cebolinha e roquefort.
serve: 6 porções.