30.6.14

canapés para não torcer para a seleção...


... ou para torcer, se você quiser. Este último sábado tinha certeza que o jogo do time do Brezeel era às 17h, e precisávamos sair para resolver algumas coisas na rua antes que tudo fechasse, mas só achamos os lugares fechados, poucos carros nas ruas. Aí me dei conta do horário do jogo, e voltamos para casa. Nessas fico achando que São Paulo não é a megalópole de quase 11 milhões de pessoas que se orgulha de ser, e sim uma cidade de interior, dessas bem pequeninas que nada acontece. 
Nos outros jogos eu nem liguei a televisão, e nem soube o placar, mas este, que também não vi, estava bem aborrecida por ter meu dia atrapalhado porque as pessoas queriam assistir na televisão 22 caras muito, muito ricos correndo atrás da bola. Sim, eu só olho pro meu próprio rabo, e não sou rica como o Neymar.
Enquanto o jogo rolava, marido jogava videogame, nós ouvíamos a música, bebê engatinhava na velocidade 2 do créu, e eu preparava estes canapés. É algo que minha mãe preparava quando tinha visita em casa, é lembrança de infância, é rápido, baratinho, a gente sempre tem estes ingredientes em casa e sempre dá vontade de comer mais um.

Bom, não tem muita receita, é só cortar os pães de forma em 4. Misturar óleo vegetal (ou azeite), queijo ralado daqueles de pacotinho de 100g e orégano seco. Vá colocando um pouco de cada, até formar uma pastinha. Fica a seu critério que tenha mais orégano ou mais queijo. Passe em cada quadradinho de pão, coloque numa assadeira e leve ao forno pré- aquecido até dourar embaixo. Prontinho, mais fácil que o Neymar cair em campo.



26.6.14

pot pies de lentilhas e cogumelos


Durante esse tempo de tratamento psquiátrico tive que abrir mão de várias coisas, saber priorizar o que era importante. Por muitas vezes fiquei frustrada e com raiva por não conseguir "dar conta de tudo" - e como é opressiva esta expectativa, especialmente sobre as mulheres/mães, chega a ser cruel, perverso, mesmo - mas muitas se orgulham de serem multi-tarefas, quando são apenas burras de carga de salto alto e maquiagem.  Bem, voltando, obviamente a Clara era a prioridade, mesmo dividindo as tarefas com o marido. E uma das coisas que descuidei completamente foi da alimentação, comia qualquer sanduíche no almoço, e o jantar era sempre comida pronta, seja aqueles congelados horríveis, ou comida de entrega. Toda a compra de sacolão era destinada à alimentação da bebê, me sobravam algumas uvas. Além do impacto no orçamento, esse monte de comida "desconhecida" deu uma estragada no meu corpo, fiquei mais doente (eu que tenho sistema imunológico de vira-lata), ganhei muito peso - bem além do que é efeito colateral dos medicamentos, meus exames de sangue deixaram de ser nota dez. Decidi que era hora de voltar a cozinhar como de costume, mesmo que nem todos os dias consiga ter alguma comida decente na panela. Tenho muitas lentilhas por aqui, a Clara gosta quando coloco na sua papinha, e com os onipresentes cogumelos vi que esta receita parecia deliciosa, fiz um monte de adaptações, o link pra receita original está aqui, o topo com sabor de milho e queijo complementam muito bem. Delicioso e reconfortante.

(meia-receita com as minhas adaptações, rendeu 3 porções moderadas)

recheio
¼ xícara lentilha
2 colheres (sopa) azeite
150g cogumelos fatiados (usei paris)
1 cebola pequena, picada
½ cenoura, cortada em cubinhos
1 alho-poró, fatidado
1 punhado de salsinha picada
1 dente de alho esmagado
1 colher (sopa) farinha de trigo
½ batata-doce picada
1 colher (sopa) shoyu
¼ xícara vinho branco
pitada generosa de páprica defumada
1 colher (sopa) extrato de tomate

cobertura* (biscuit):
1 xícara farinha de trigo
6 colheres (sopa) sêmola de milho (pode substituir por fubá)
1¼ colher (chá) fermento em pó
½ colher (chá) sal
4 colheres (sopa) manteiga gelada, cortado em cubinhos
½ xícara iogurte natural (ou buttermilk, se preferir)
¾ xícara queijo ralado (usei gryuère, a receita pede gouda)

Cozinhe a lentilha em água e sal, quando estiver macia, desligue, escorra a água e reserve. Aqueça o azeite e adicione os cogumelos, cozinhe por uns 3min. Em seguida vá adicionando os outros ingredientes, a cenoura, alho-poró, salsinha e alho. Deixe cozinhar por mais alguns minutos. Coloque a farinha e mexa constatemente por 1min. Depois coloque a batata, shoyu, vinho, páprica e extrato de tomate. Acerte o sal e pimenta, deixe cozinhar. Reserve. Quando esfriar, coloque o recheio em potinhos que possam ir ao forno.

Para a cobertura, misture numa tigela a farinha, sêmola, fermento e sal, misture bem. Coloque a manteiga e misture bem com os dedos, para formar aquela farofinha, adicione o iogurte e misture até formar uma massa. Todos estes passos podem ser feitos no processador, dessa vez fiquei com preguiça de lavar depois.
Divida a massa em 4 porções, forme bolotas achatadas, vá achatando o máximo que conseguir, ou use um rolo (esqueci dessa!), e coloque sobre os potinhos, espalhe o queijo ralado. Leve ao forno por uns 30min em forno pré-aquecido a 200ºC.

*Para estas medidas aqui rendeu 3 porções, com a sobra da massa, misturei queijo e fiz biscoitinhos que ficaram ótimos para comer com sopa.


18.6.14

sopa de cebola do "outback"


Faz bastante tempo que uso esta receita de sopa, anotei no meu caderninho como outback, mas não sei dizer se faz parte do menu, ou não. Fato é que nunca comi em nenhum restaurante da rede, marido vivia convidando (até que desistiu, coitado), me desculpem quem gosta, é que eu não vou com a cara da comida, dê uma olhada no cardápio e verá que é tudo monocromático no marrom-fritura, até a sobremesa! Eu não vou achar a fonte, sei que tempos atrás li que a carne "macia" deles consiste numa técnica de fazer centenas e centenas de micro-furinhos para que os filés pareçam macios, e não praticamente despedaçados. Costela suína ao molho barbecue? Não consigo nem falar sobre isso, passei mal to-das as vezes que comi esse troço, a última delas no início super enjoado da gravidez.
Bom, já passei muitas linhas falando mal de um lugar que nunca fui. Mas sei que posso falar muito bem desta sopa, facinha de fazer (picar as cebolas no processador é o que há) e o queijo ralado derretendo sobre a sopa é indispensável.

2 litros de água
4 cubinhos de caldo de carne
3 cebolas médias, fatiadas
½ xícara amido de milho
1 xícara água
sal, pimenta-do-reino a gosto
1 xícara creme de leite
queijo gouda, para servir (emmental também fica bom)

Leve a água para ferver, assim que abrir fervura coloque o caldo de carne, desmanche bem, coloque as cebolas. Abaixe o fogo e deixe cozinhar por uns 25min. Dissolva o amido na água e coloque uma concha da água com cebola quente, misture tudo e lentamente coloque todo o líquido na panela, mexendo sem parar (isso evita que o amido fique empelotado). Acerte o tempero, deixe cozinhar por mais 15min, até engrossar o caldo. Desligue o fogo, adicione o creme de leite, misture bem. Sirva nos pratos e por cima coloque o queijo ralado.
serve: 4 porções