quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

voltando com bolo de banana e chocolate


Olá, pessoas! Antes de qualquer coisa, quero desejar um lindo 2014 pra todo mundo que passa por aqui - pra quem não passa também!
Antes queria explicar que meu sumiço do blog - e da minha cozinha - não foi por causa do nascimento da Clara, e sim porque tive/tenho uma doença que não esperava ter num momento desses: depressão pós-parto. Estou em tratamento, promete ser longo, não estou totalmente curada, tenho umas recaídas bem ruins. Sabe, poderia falar horas sobre DPP, sobre o que aprendi, relatos que li, artigos médicos, pessoas que conheci, minha experiência e aceitação da doença (in progress). Mas não vou, a parte mais difícil de todo esse doloroso processo foi conseguir aceitação das pessoas, às vezes só empatia já bastava, inclusive dos médicos que procurei, que estava sim doente e precisava de ajuda em muitos níveis. Entendi finalmente que esta é uma experiência muito particular, só quem teve DPP pode entender outra mulher na mesma situação, quem pariu e não ficou doente não entende patavina do que é isso, julgam, falam besteira, dão "conselhos", e os mais desastrados deixam escapar que é frescura.
Bom, se alguém quiser perguntar alguma coisa, sinta-se à vontade. Agora, falando do bolo, sei que a foto está xexelenta - tirei num final de tarde chuvoso - mas asseguro que é ótimo, bem macio, úmido e só vai sujar uma tigela. Receita do Baking Unplugged.

1 ¼ xícara banana amassada
1 xícara açúcar
½ xícara óleo
2 ovos grandes
1 ¼ xícara farinha de trigo
1 colher (chá) bicarbonato de sódio
½ colher (chá) sal
½ xícara gotas de chocolate

Pré-aqueça o forno a 180ºC, unte e enfarinhe uma forma quadrada de 20cm. Numa tigela grande coloque as bananas, açúcar e óleo, misture bem. Adicione os ovos, um a um e misture. Peneire a farinha, fermento e sal diretamente sobre a tigela das bananas, misture rapidamente, e antes que toda a farinha seja incorporada à massa, coloque as gotas de chocolate e mexa até ficar homogêneo, mas não mexa demais (assim garantimos que o bolo ficará fofinho). Leve ao forno por30-35min, ou até um palito sair seco.

39 comentários:

  1. Tati querida. Depressão pós parte acomete 90% das mulheres. Acontece em graus diferentes, alguns casos mais graves e outros não. Minha irmã não conseguia tirar o filho do berço no auge de uma crise. Eu, uma pessoa que fiz tratamento para engravidar, também sofri de DPP. Da s minhas amigas, apenas uma disse não ter sofrido. Honestamente acho que ela mentia. Força e qualquer coisa me chama para passar um tempo com você se precisar ou quiser, estou por aqui. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sandra! É um problema tão comum e ao mesmo tempo tão cheio de tabus. Como se fosse errado a gente se sentir triste num momento tão bonito da vida, mesmo que seja com causas fisiológicas. Obrigada pelo apoio, e se quiser visitar a Clara, está cada dia mais fofa! Beijão

      Excluir
  2. Olha, querida, admiro demais a sua franqueza para falar do assunto, porque é bem isso mesmo, geral acha que é "frescura". Fico louca com isso.
    Boa sorte com o tratamento, beijos pra vc e pra Clara, que eu vou ficar babando por esse bolinho lindo - amo bolo de banana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pat, querida! É mesmo uma m***da ver gente insinuando que é frescura, questionando tratamento, quando o rojão mesmo fica na mão do marido que me vê nas piores crises. Beijos!!

      Excluir
  3. A única coisa que lhe digo é que melhore, que fique tudo normal.
    O bolo está lindo e deve ser muito bom!
    Bom 2014.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lurdes, muito obrigada! Bom 2014 pra você! Beijos

      Excluir
  4. Tati, quando o assunto é depressão muita gente (ignorante) ainda diz "ser frescura". Só quem já passou ou teve alguém na família entende que é uma doença sim e deve ser tratada. Muita força e persistência no tratamento é o que eu lhe desejo, pois às vezes as recaídas nos fazem querer abandonar tudo. Não desista que há um final feliz! E estou aqui no interiorrrr torcendo para que esse fim chegue logo.
    Quanto ao bolo, combinação infalível de ingredientes, não tem como ficar ruim, ainda mais vindo da sua cozinha! ;-)
    Grande beijo pra vc e pra Clara!

    PS: get well soon! =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cinthya, é triste ver tanta gente ainda acreditando que depressão é frescura, quando há pesquisas afirmando que é um epidemia mundial. Estou seguindo o tratamento, e os ares frescos do interiorrrr me fariam muito bem :P. Beijos

      Excluir
  5. Oi, Tati,

    Bem vinda de volta! Menina, tive uma colega de trabalho, que era (digo era porque perdi o contato com ela, rsrs) uma garota doce e prestativa, que também teve DPP. Espero mesmo que você se cure totalmente e este pesadelo fique no passado, O bolo deve ser uma delícia, estou levando a receita, rsrs.

    Beijoca e boa noite!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marly, obrigada pelos votos de saúde. O bolo é uma delícia, faça com bananas super, super maduras que fica ainda melhor. Beijos!

      Excluir
  6. falta empatia e carinho nesse mundo, né?
    enfim, cê sabe que do lado de cá deste país, tem um montão de amor pra você, pra Clarinha, pra Paulo, os 3 gatinhos e até por esse bolo de banana, que é uma coisa loka toda vez que eu vejo 'banana + chocolate' me dá um tremilique, e depois eu experimento e acho é bom.

    tchamo um monte. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ô quéroul, cê sabe que tchamo de montão! A Clara adorou a Luiza, ainda está descobrindo que os nózinhos são saborosos :)

      Excluir
  7. Tati, te acompanho faz tempo, mas vou comentar pela primeira vez. Te desejo muita força e saúde nesse momento, e tenha fé que tudo vai melhorar e essa nuvem que paira sobre sua cabeça vai embora.
    Quando minha filha nasceu, eu só conseguia chorar e chorar, durante semanas! Culpa da loucura dos hormônios e da frustração por ter fantasiado toda uma situação envolvendo o parto e a chegada na pequena - queria muito parto normal e me preparei a gravidez toda pra isso. No fim das contas foi tudo diferente, tive uma cesárea difícil, mesmo medicada sentia muita dor e tivemos alta depois do previsto porque ela teve icterícia. Tudo isso mexe com nossa cabeça. Tive a sorte de ter minha mãe comigo o tempo todo, sempre muito compreensiva, dedicada e atenta, já que ela havia passado por DPP quando meu irmão nasceu.
    Hoje estamos bem, minha filha já está com dois anos e meio. A homeopatia ajuda bastante, viu! Confesso que ainda choro quando falo sobre o nascimento dela. Ficou um trauma...por mais estranho que isso possa parecer para as outras pessoas. É claro que no fim tudo vale a pena e todo esse sofrimento não diminui o amor que temos por nossos filhos, mas a mulher que tem DPP precisa de carinho e atenção, ou toda a família acaba sofrendo as consequências dessa doença.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, obrigada por dividir sua experiência comigo - e adoro conhecer pessoas que me lêem e eu não sei, rs. Também quis muito parto normal, e acabei na cesárea, hoje vejo que foi por conveniência da médica e dói muito a sensação de ter o parto "roubado" - foi assim que me senti. Tentei homeopatia por 2 meses e não obtive resultado, e psquiatria foi o melhor caminho, e tive que percorrer desde o início, de novo. Fico feliz que hoje está tudo bem com você e sua filhinha. Apareça sempre que quiser! Beijos

      Excluir
  8. Olá Tati,
    estava cheia de saudades suas :)
    mas pensei que fosse pela sua Clara a ausência.
    fico triste por saber da depressão pós parto, mas fico contente por saber que está no bom caminho! Desejo tudo de bom a você, e o caminho faz-se caminhando devagarinho, mas sempre lutando e sei que você vai conseguir. E admiro a sua coragem em contar!
    Adorei o bolinho, adoro bolo de banana e chocolate.
    Um beijinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ginja, obrigada pelas palavras, e você tem razão: o caminho se faz caminhando! Obrigada pelas palavras de afeto. Beijos!

      Excluir
  9. Acabei de fazer essa receita. Como não tinha chocolate suficiente completei com passas. Ficou muito bom!! Muito obrigada por compartilhar conosco essa receita.
    Dirmasilva@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dirma, as passas devem ter sido ótimas substitutas para o chocolate, já fiquei imaginando este bolo de passas ao rum! Que bom que gostou da receita. Beijos

      Excluir
  10. Está lindo o teu bolo e que delícia deve ter ficado!
    Beijinhos e bom fim de semana,
    Lia.

    ResponderExcluir
  11. Querida desejo a voce muida saude.
    Tenho depressao pos tudo.
    Entendo perfeitamente o q diz, inclusive as criticas.
    Siga adiante.
    Fique firme, um dia apos o outro, nao existe receita magica.
    Por experiencia propria digo a vc tenha fe e paciencia e dara tudo certo.
    Desejo felicidades a vc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alba, obrigada. Às vezes é frustrante saber que precisamos ter paciência para o tratamento ter êxito, mas não existe mágica, como você disse. Fique bem, com saúde e felicidades! Beijos

      Excluir
  12. É muito difícil contar com a compreensão de todos, mas isso se deve mais à desinformação.
    Tudo de bom pra você e sua pequena!!
    Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gina, obrigada! Quem sabe eu abrindo minha doença, aqui, neste espaço tão pequenino posso ajudar a diminuir a desinformação. Beijos

      Excluir
  13. Depressão é sempre uma coisa... qdo que comento que tive/tenho as pessoas me olham incrédulas (pq eu continuo tomando banho todos os dias e saindo de casa sempre que preciso) e sempre tem uma frase pronta para me animar (mas é triste à beça ouvir esse tipo de coisa, principalmente por quem não sabe o que diz).
    Pós parto então, deve ser ainda mais difícil. Tem uma moça que eu acompanho o blog e ela teve na gravidez da segunda filha e ela compartilha bastante coisa.
    Atualmente ela voltou ao blog e é esse aqui: the-red-deer.blogspot.com

    Que vc tenha TODO o carinho, paciência, amor e compreensão de que precisa para se reestabelecer. Abraços macios prá vc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabi, é difícil ouvir estes comentários quando estamos bem. Como a psiquiatra falou: se eu tivesse diabetes, pressão alta ou outra doença que necessita de tratamento permanente, ninguém acharia nada demais, mas depressão parece fraqueza de caráter: a gente não sai dessa porque não quer, porque não é forte o suficiente. Vou dar uma olhada no blog. E abraços muito macios para você! (sempre te "vejo" nos comentários do blog da quéroul!). Beijos

      Excluir
  14. Muita coragem a sua de dividir publicamente a DPP, parabéns! Estou sempre aqui no blog como leitora de receitas e agora sou mais uma pessoa a torcer por você,
    o mais importante já está acontecendo que é o tratamento,
    mais um abraço forte e carinhoso para você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carmen, obrigada pela torcida! É sempre muito bom receber essas palavras de conforto, é quentinho! Beijos!

      Excluir
  15. Olá

    Que aspeto delicioso, deve ser muito rico em sabores.

    Parabéns pelas magníficas sugestões existentes no blog.

    Beijoa
    http://www.pratocaseiro.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cozinha Caseira, obrigada pelos elogios! beijo

      Excluir
  16. Querida Tati,
    Feliz 2014!!! Com muita saúde, paz, grandes realizações e muitas DELÍCIAS!!! E você começou o ano com um bolo MARAVILHOSO!!! ADOREI!!!
    Grande beijo, Irene

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irene, um feliz 2014 pra você! Tudo de bom, saúde, paz e alegria! Beijos

      Excluir
  17. Tati querida
    Que alegria saber que você voltou!
    Amiga, não sabia da depressão pós-parto e fico feliz em saber que você está em tratamento! Não sei como é a depressão pós-parto, mas imagino, pois tive depressão e em um mês emagreci 11 quilos, não comia, não tomava banho, só ficava de cama... fiquei 3 anos em tratamento e graças a Deus faz mais de 6 anos que estou completamente curada! Sempre dizia que a depressão é uma dor na alma e realmente só entende quem sofreu!
    Quanto ao bolo, vou levar a receita comigo, pois gostei muito.
    Te deixo um abraço apertado, cheio de muito carinho e boas energias.
    Léia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Léia! Não sabia que você também sofreu desta doença, fico feliz por saber que está curada - e confesso que fiquei apreensiva com os 3 anos de tratamento, claro que cada caso é único, a gente sempre aquela pressa de ficar boa logo, né? Um beijão e fique bem :)

      Excluir
    2. Não fique apreensiva Tati, pois como você disse, cada caso é um caso!
      Bjo grande

      Excluir
  18. Camila Corrêa1/20/2014 12:13 PM

    Tati, amo suas receitas, elas fazem o maior sucesso em casa! Hoje tenho 22 anos, fui diagnosticada com depressão, síndrome do pânico e transtorno de ansiedade generalizada aos nove anos, na época muita gente também achava que era frescura, coisa de criança mimada, sofri muito neste período e graças ao bom Deus não me lembro de muita coisa sobre o fato ocorrido na época... Faço tratamento até hoje com medicamentos, visitas constantes ao psiquiatra e terapia semanal, quanto a depressão eu estou curada, mas a síndrome do pânico e o transtorno de ansiedade generalizada ainda me assombram, mas o medicamento ajuda e muito! Infelizmente o transtorno que sofro não tem cura, então tenho que aprender a conviver com ele, já que meu cérebro deixa de "fabricar" uma substância. Sofro preconceito até hoje, já falaram para minha mãe me colocar debaixo do chuveiro gelado e me dar tapas na cara que eu iria melhorar, acredita? Tenha força que tudo vai passar minha querida, torço e rezo por você! Um beijão da sua leitora assídua, mas que sempre teve vergonha de comentar rsrs :)

    ResponderExcluir
  19. Oi, Camila! Não sabia que estes transtornos acometiam crianças também, nem consigo imaginar o que você sofreu, e fico feliz que já tenha a doença controlada. A psiquiatra que trato me diagnosticou transtorno bipolar, tomo dois reguladores de humor, um deles tóxico e preciso fazer exames constantes para saber se o remédio não fará mais mal do que bem. Ela me disse que já tinha uma pré-disposição genética (tem casos de depressão na família) e todo o desequilíbrio hormonal pós-parto desencadeou a doença.
    Mas vamos com força, e apesar dos comentários preconceituosos, tenha em mente que são fruto de gente ignorante - às vezes maldosa, mesmo.
    Adorei que você comentou, e muito obrigada por dividir sua história comigo. Sinta-se à vontade para comentar quando quiser!
    beijão!

    ResponderExcluir
  20. Bom retorno!!! Melhoras!!! Eu acredito sim......tb " tive".....

    Bjs....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Manu! Espero que já esteja melhor!
      beijo

      Excluir